Dr. Valrian Feitosa

Oscar D'Ambrosio
Doutor em Educação, Arte e História da Cultura e Mestre em Artes Visuais, atua na Assessoria de Comunicação e Imprensa da Unesp.

A casa de Ferdinand Cheval

Há casas motivadas por um sonho, estimulado por algo simples, como o encontro de pedras na estrada. A partir desse fato, o carteiro francês Ferdinand Cheval (1836-1924) passou 33 anos de sua vida construindo um edifício chamado 'Castelo Ideal', em Hauterives, ao sul de Lyon, França.

Considerada um exemplo de arquitetura ligada à arte naif, o local começou a ser erguido em 1879 e terminou em 1912. Durante sua rotina de trazer e levar cartas, Cheval escolhia pedras e as carregava para construir seu castelo. Primeiro, as colocava nos bolsos, depois em cestas ou carrinhos.

À noite, à luz de uma lamparina, trabalhava incessantemente, sendo visto como um bobo pela comunidade local. O interior parece uma caverna, onde duas grutas se encontram. Há ali um templo hindu, um chalé suíço, as figuras de Sócrates e Adão e Eva, entre tantas outras.

Como queria ser enterrado ali, mas as autoridades proibiam, passou oito anos erguendo um mausoléu para si mesmo no cemitério de Hauterives. Pouco antes de falecer, começou a receber o reconhecimento do seu trabalho pelo poeta André Breton e pelo artista plástico Pablo Picasso. A partir de 1969, o castelo passou a ser protegido pelo governo francês.

Oscar D'Ambrosio, Doutor em Educação, Arte e História da Cultura e Mestre em Artes Visuais, atua na Assessoria de Comunicação e Imprensa da Unesp.